segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

AUTOCUIDADO E ALIMENTAÇÃO


AUTOCUIDADO E ALIMENTAÇÃO

A relação que temos com a nossa alimentação revela muito do nosso modo de funcionamento na vida. Funcionamentos muitas vezes tóxicos, destrutivos, exagerados, expansivos, eufóricos, compulsivos, desequilibrados, restritivos, mecânicos, apáticos, tristes.

Algumas pessoas se relacionam com o alimento a partir das regras "dos outros"; em outras palavras, não se alimentam; apenas "colocam para dentro" o que julgam extremamente necessário para garantir sua sobrevivência. Há aqueles que vêem no alimento um jeito de se anestesiar das próprias angústias, medos e frustrações; outros, por sua vez, consideram a alimentação, assim como o sono ou as necessidades fisiologicas, um transtorno  que toma o tempo que poderia ser utilizado em outras atividades como o trabalho. Essas pessoas "seguram" suas necessidades até o limite do suportável, mantendo assim, um processo diário de sofrimento ao próprio corpo. Já outros, em contrapartida, vêem na alimentação uma grande fonte de prazer, tanto que experimentam grande dificuldade em colocar um limite no propriocomportamento de comer.

O que há em comum entre todos esses exemplos é a dificuldade que essas pessoas possuem de se relacionar consigo mesmo, e consequentemente, de manifestar o autocuidado a partir do afeto voltado para si.

A respeito do sobrepeso, muitas vezes difunde-se uma "ideia de necessidade de controle" quando a questão muitas vezes é de dificuldade de contato/afeto:
Dificuldade de contato com o alimento propriamente dito; dificuldade de contato com a representação emocional que a alimentação assume na relação com o outro;
Dificuldade no contato com a demanda do outro; dificuldade de contato com as próprias demandas.

Assim, não é raro ouvir relato de pessoas que mesmo após dietas bem sucedidas ou realização de cirurgias bariátricas  desenvolvam processos depressivos ou comportamento compulsivo em relação ao álcool ou outras substancias; como um sistema de substituição sintomática. Nesses casos, fica claro que a questão não era os maus hábitos alimentares, "relaxo" ou falta de controle; mas sim algo muito mais profundo.

Nesse sentido, a comida pode estar ocupando um lugar e função específicos na vida dessa pessoa, de modo que, promover o rompimento ou o deslocamento abrupto dessa relação pode ser extremamente grave e desorganizador do ponto de vista psicológico.

Por isso, antes da adesão a dietas radicais, intervenções invasivas para redução de peso, ou mesmo a culpabilizacao pelo insucesso na redução de medidas, faz- se importante, como uma demonstração de cuidado, atenção e gentileza com o próprio corpo e sentimentos, buscar um lugar onde a fala, os sentimentos, emoções envolvidos no processo de obtenção do sobrepeso possam ser acolhidos e compreendidos sem julgamentos.

Dificilmente conseguimos encontrar uma solução para um problema quando não compreendemos o contexto problemático que faz com que uma situação assuma esse lugar em nossa vida. Assim, compreender o nosso lugar na constituição e manutenção do problema o qual enfrentamos, é sempre o passo fundamental que leva a produção de um caminho no sentido da solução.
.
@glendaalmeidapratt
Glenda Almeida Pratti
Psicóloga e Psicanalista
.
#autocuidado
#amorproprio
# sobrepeso
#transtornoalimentar
#obesidade
#cuidadonaalimentacao
#cuidadoalimentar
#psicologia
#psicanalise

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

O LUGAR DO DESENHO NA OFICINA TERAPÊUTICA


O LUGAR DO DESENHO NA OFICINA TERAPÊUTICA DE AUTOCUIDADO

A folha em branco, como a vida
Se desdobra em infinitas possibilidades de expressão
De si,
Por si
Em si.

O traço que não é só cor
Pode ser demonstração de
força ou leveza
Insegurança ou presteza
Clareza ou indecisão

O risco
Que pode ser
Dinâmico ou fixo
Rígido ou maleável
Movimento ou estabilidade
Não precisa
Ser uma coisa ou outra
Ele pode ser tudo junto
Numa coisa só:
Limite e liberdade
Espaço e tempo
Juntos
no traço
contando a sua verdade
Que se tornam transitórias
Quando através do tempo
Vemos nosso traço mudar,
se aperfeiçoar
E com ele também
O nosso olhar,
Sobre as coisas e a vida,
mudar.

A cor que não é só pigmento
É pensamento, sentimento
Crença, emoção
Quebras de prisão
Produção.

É luta, respeito, permissão
De errar, acertar, mudar
Criar, construir o olhar
Ou até mesmo "derrubar"
O que construímos quando com a borracha
Decidimos apagar

No desenho, concretizamos
Nossa visão de mundo
A peculiaridade do olhar
A singularidade do si
A permissão de olhar,
sonhar
E realizar.


@glendaalmeidapratt
Glenda Almeida Pratti
Psicóloga e Psicanalista

Facilitadora da oficina terapêutica "Autocuidado: Construindo atenção, gentileza, carinho e afeto consigo mesmo".
Data: 16/02/2020
14h-18h
Local: Espaço LUZ (Mata da Praia)
Maiores informações Whatsapp: 27 99818-0748

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Sobre o Autocuidado


O autocuidado diz respeito à um cuidado que é dirigido à própria pessoa no sentido de trazer para si, bem-estar, atenção, zelo, carinho, afeto. Contudo, autocuidado não está relacionado apenas ao uso de práticas de cuidado, mas também ao emprego delas em conjunto com a avaliação, identificação, medida e adequação das mesmas à realidade pessoal e às necessidades individuais da própria pessoa com vistas a trazer para si, prazer, satisfação, autonomia e equilibrio.

O autocuidado envolve a construção de uma relação de respeito, carinho e gentileza com o corpo e com os próprios limites, carências, necessidades, potencialidades, pensamentos, valores e sentimentos.

Nem sempre o modo como se entende o "cuidar de si" promove bem-estar, pois, o sentido do cuidar tem sido deturpado pelas demandas sociais de consumo e produção. De forma que, o cuidado tem sido assimilado superficialmente. O autocuidado deixa de ser cuidado quando este é realizado de um modo que tem como objetivo outros fins que não o de bem-estar pessoal, trazendo por sua vez dependência, insegurança, desequilibrio e sofrimento.

Por exemplo, cuidar não é controlar, embora, certo nivel de controle faça parte de âmbitos do cuidado; nesse sentido, controlar a alimentação pode ou não ser considerado um comportamento de cuidado dependendo do contexto, das motivações assumidas e do modo como o controle é feito.

Não é raro chegar aos consultórios pessoas que socialmente alcançaram o lugar de bem sucedidos, mas passam os dias a suportar a vida por meio do uso de medicações em função de adoecimentos psicológicos oriundo desse esforço realizado para "cuidar" do próprio futuro; Há pessoas que são consideradas belas, atraentes por cuidarem bem da aparencia física do ponto de vista social, mas por dentro, sofrem com baixa autoestima, não se aceitam e se tornam dependentes da aceitação de outras pessoas sobre a sua imagem, daí a motivação do cuidado com a própria aparência; Há pais que se dedicam tanto para serem considerados "bons pais" que não percebem que seu modo de cuidar está machucando e trazendo sofrimento aos próprios filhos.

Esses são exemplos da deturpação do sentido de cuidado.

A noção de autocuidado vai além do cuidado estético, vai além da providência de recursos de sobrevivência, vai além das concepções sociais de sucesso, beleza e saúde.

Cada um traz consigo um passado, uma história pessoal. A partir dessa história pessoal, das experiências obtidas, mediações recebidas e reflexões sobre o passado, presente e os ideais existentes; construímos a nossa própria concepção de cuidar. É a partir delas que cuidamos de nós mesmos e dos outros.

Nessa perspectiva, faz se necessário  questionar: o que estamos identificando como incômodo, necessidade, carência? Como nós mesmos estamos tratando essas questões. Quais os recursos pessoais que cada um de nós lança mão para cuidar de si e dos outros?

Se o nosso jeito de cuidar estiver nos machucando, esgotando, trazendo sofrimento, mal-estar, culpa, dependência, desequilibrio, estresse; precisamos parar e pensar sobre COMO é esse modo de cuidar e O QUE estamos chamando de "cuidado".

Glenda A. Pratti
Psicóloga e Psicanalista

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

EVENTO: OFICINA TERAPÊUTICA


Dia 16 de fevereiro, realizarei uma oficina terapêutica sobre as dimensões do autocuidado a partir do desenho, pintura, mosaico e escrita.

O principal objetivo das oficinas que já  desenvolvo há alguns anos é trabalhar dificuldades de expressão dos pensamentos, sentimentos e emoções; auxiliando cada participante a construir uma relação de atenção e cuidado com seus limites e potencialidades.

A oficina de autocuidado por sua vez, irá trabalhar a expressão como sendo uma condição para a percepção e tratamento das carências de autocuidado para que então, o participante se sinta livre para buscar os caminhos que possibilitarão a ele no futuro trabalhar suas questões e necessidades.

Dessa forma, meu objetivo é auxiliar os participantes a perceberem em si quais tem sido os modos de cuidar utilizados por eles em suas relações consigo e com os outros; e diante disso, trazer à reflexão se esses modos utilizados tem cumprido a função de produzir carinho, afeto, satisfação e prazer.
Para que todo um caminho de mudança  possa ser percorrido, o primeiro passo é permitir a si mesmo se expressar, para si mesmo em primeiro lugar!

Diante de uma folha em branco e a proposta de uma produção, muitos medos podem surgir:
Medo de errar, medo do que o outro vai falar, medo de não ser bom o suficiente, medo de ousar, medo de sair do lugar, medo de dar certo, medo de alcançar...

Não seriam esses os mesmos medos que nos tomam diante de uma possibilidade de mudança, desenvolvimento, aperfeiçoamento  ou busca de prazer!?

A oficina terapêutica é uma proposta de contato, reflexão, liberdade e construção a partir da abordagem desses medos.
A aposta é na possibilidade de elaboração de algumas questões que poderão ser os primeiros passos para a busca e construção de um percurso de vida mais autêntico e satisfatório.

Glenda Almeida Pratti
Psicóloga e Psicanalista

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Atendimento psicológico em domicílio


O atendimento à domicílio é realizado nos casos onde o paciente apresenta dificuldade de locomoção física ou psicológica.

Em casos de depressão pós-parto, por exemplo, muitas vezes a mulher não conta com suporte social adequado para receber atendimento psicológico. Nessas circunstâncias, pode ser fundamental que essa mulher receba suporte em seu domicílio para não haver prejuízo aos cuidados com seu bebê.

Ressalta-se que em grande parte dos quadros clínicos, o atendimento domiciliar ocorre apenas em uma fase específica do tratamento, sendo a sua necessidade avaliada em seu contexto caso a caso.

Cada oficina, uma produção.
A partir de cada produção, se faz elaborações.
A partir de cada nova elaboração, a construção de novos modos de se estar na vida!